segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Luta perdida

Vencedor do Prêmio Jabuti, em 2005
Viúvas da terra: morte e impunidade nos rincões do Brasil (2004), do jornalista Klester Cavalcanti, narra a história de mulheres que perderam maridos envolvidos na questão agrária, no sul e sudeste do Pará. Com 183 páginas, o livro publicado pela editora Planeta rendeu ao escritor o Prêmio Jabuti na categoria Livro-reportagem, em 2005. A matéria que deu origem à obra, publicada na revista Terra, em novembro de 2002, foi finalista do Natali Prize, prêmio considerado o mais importante do mundo na área de Jornalismo de Direitos Humanos.

Viúvas da Terra é resultado de cinco anos de pesquisa sobre a violência que ocorre no meio agrário brasileiro. A lista de entrevistados pelo escritor é extensa: mais de 70 pessoas, entre parentes de vítimas, sobreviventes de massacres, advogados, policiais, sociólogos e acusados.  Para contar os casos narrados no livro, mais de três mil páginas de inquéritos policiais e de processos judiciais foram analisadas. Um árduo trabalho com o intuito de trazer à tona a realidade de agricultores submissos a fazendeiros que fazem as próprias leis.

Os personagens da obra estão diretamente envolvidos na luta pela reforma agrária. De um lado, trabalhadores rurais e sindicalistas, que sonham em conquistar um pedaço de terra para sustentar a família; de outro, fazendeiros, madeireiros, políticos e empresários, prontos para responder de forma truculenta a quem ousar contrariar suas ordens. Diferentes histórias são contadas, mas fica evidente o que elas possuem em comum: as viúvas enfrentam a falta de condições para manter a casa e, impotentes, assistem à impunidade dos crimes que desestruturaram suas famílias.

Mais do que evidente, o descaso da Justiça em relação aos homicídios é gritante. As estatísticas denunciam a impunidade: dos 1.373 assassinatos que se deram envolvendo disputas agrárias no país, apenas 122 foram a julgamento, no período de 1985 a 2003. Houve nove condenações e, até a conclusão do livro, nenhuma prisão. Nos seis casos apresentados pelo autor, por mais consistentes que fossem as evidências, predominaram a desobediência à lei e o retardamento dos processos judiciais.

Lições

O livro traz preciosas lições para os profissionais da comunicação. A ideia de investigar e publicar a realidade da questão agrária surgiu com a observação de notas relativas aos assassinatos de agricultores, nas páginas dos jornais do Pará. Daí a importância de os comunicadores estarem atentos ao que é recorrente na mídia, e, portanto, encarado como habitual e não merecedor de atenção.  Viúvas da terra denuncia, literalmente, não ao poder judiciário o que já é de seu conhecimento, mas aos brasileiros - alheios à causa - a realidade timidamente apresentada nos jornais diários.

Além disso, o livro revela os nomes verdadeiros dos advogados, juízes, desembargadores e promotores, que cumpriram ou não sua função. Nomes fictícios deixariam a credibilidade do trabalho à mercê de especulações. Para Cavalcanti, "o jornalismo tem que ser comprovável". As lições continuam: as poucas, mas densas páginas de Viúvas da terra apresentam forte carga emocional. Na narrativa, o jornalista faz uso de recursos literários e de observações minuciosas para montar o cenário na mente do leitor – prova de que apuro literário e sensibilidade, quando bem dosados, não descaracterizam o estilo jornalístico.

O sopro de realidade proporcionado pela leitura da obra é um alerta à sociedade, aos comunicadores e à Justiça. A reforma agrária, pouco discutida nos dias atuais, é questão não resolvida no Brasil. É luta perdida para milhares de agricultores. A função do jornalista é apontar o problema e evidenciá-lo a ponto de abrir os olhos da sociedade, e nisso, Klester Cavalcanti não deixa a desejar. Viúvas da terra cumpre, com extrema competência, o seu papel: revela, perturba, revolta e comove.

Nenhum comentário: