quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Crise estilo-jornalística

É difícil encontrar as palavras quando você está se lixando, visto que ninguém ouve mesmo elas não têm pretensão alguma de serem encontradas. Há quanto tempo não escrevo? Não, não falo do blog. Falo de sentar a bunda na cadeira me dedicar a um texto sem ter obrigação de escrevê-lo. Escrever sem estar preocupada com a porcaria da nota da facul nada. Escrever por escrever, como eu sempre fazia. 

Quando foi que me perdi?

Parece-me que os textos estão engessados. Os meus "escritos", antes verdes, não amadureceram. Pularam essa fase. Não digo que estão podres porque sempre tem um espertinho que conclui sozinho. Ponho toda a culpa no "estilo". Não toda. Mentira. Ponho sim.

Use verbos de ação. 
Respeite o limite de caracteres.
Descarte os pronomes. 
Não seja besta de se meter com adjetivos.
Seja claro. Objetivo. Neutro. 
Não repita palavras.
Diga a que veio.

Eu vim para escrever um texto. Quero encontrar eu ia usar a palavra "achar", mas não é o ideal, já que "encontrar" fica mais bonito o sabor das palavras brincadas, soltas, bobas. Quero ó eu repetindo palavras aí, gente! colocar a emoção, o gosto, o tempero e a poesia em meus textos. Aqui, pode. E quando eu souber separar o estilo pré-determinado e a ousadia das palavras poderei dizer que aprendi a escrever.

Até lá, a gente vai tentando a gente vai tentando. É isso.

8 comentários:

Anônimo disse...

O bom é falar o que da vontade! Bom texto, preta!

Rosana Weber disse...

ai. eu ri. hsuahhuahushus.
é... é isso ai,
"a gente vai tentando" ;)
uhsuahuhuahhua
bjuusssss

Marília disse...

Oi, Cris!
Confesso que também tenho deixado a desejar. Não escrevo mais as crônicas que costumava adorar produzir. No entanto, alguns dos meus problemas foram solucionados com a disciplina de leitura e produção de textos III. O incentivo do Elnor foi primordial pra isso.
Aos poucos a gente retoma o ritmo e vola a escrever.
Beeijo

depossibilidade disse...

A verdade é que todas as regras e conselhos que já ouvi / li em oficinas e quaisquer outras cenas com o intuito de ensinar como se escreve como um escritor eu também já vi sendo burladas por todos os mestres que admiro.
Mas concordo / insisto com a necessidade de rever / limpar / cortar os textos. Um dia eles amadurecem sim, ou viram outro ser.
Grande abraço!

Cris disse...

Obrigada pelos comentários, pessoal.
Realmente, devemos insistir na escrita até que ela amadureça.

Sorte a todos.

Pega e Vai!!! disse...

a escrita madura é aquela que lhe apraz... regras de escrita servem aos tolos e incapazaes.
Se Galeano ou mesmo Scliar ficassem presos à esse tipo de coisa...jamais teriam começado a escrever..
Tua escrita é ótima, independente do que este ou aquele ''detentor da verdade' afirme.

Cris disse...

Bah, muito obrigada pelas palavras!
Falaste bem: grandes escritores não se prenderam a regras. Tenho pensado muito nisso durante minha "estadia" na Unisc. Espero que ao final do curso eu saiba usar as regras não para engessar meu texto, mas para usá-las a meu favor.
Usar as regras para conseguir, "com classe", colocá-las fora.

Joh Ribeiro disse...

Cris, tu certamente és a pessoa mais linda e sincera escrevendo!