quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

Balanço de Final de Ano.

Neste ano...
Fiz tanta coisa...

Li bons livros, conheci novas pessoas, comecei a escrever o blog, ouvi boa música, fiquei um tempo sozinha me sentindo a última, fiquei um tempo rodeada de amigos. Chorei assistindo filme, chorei lendo livro, roubei flor de pátio alheio (adoro margaridas) e depois me senti culpada por isso. Não por ter pego a flor, mas ter tirado ela da vida, por egoísmo meu. Vai entender...
Será que fiz alguém chorar? Sim.
Fiz muitos rirem. Compartilhei a dor de alguém.
Senti saudade de quem está por perto. Senti saudades de quem não está mais entre nós. Essa saudade que nunca acaba e que não pode ser diminuída através de um abraço, sorriso, gesto. Pois não há mais essa possibilidade.
Relembrei outros tempos, com muita saudade e nostalgia. Fiz companhia pra um cachorro (ou foi ele quem fez companhia pra mim?), senti tristeza que não cabia no peito.
Não comprei meu violão, não viajei pra longe. Fui dormir de madrugada, trabalhei com a cara inchada, comi muita porcaria, gastei muita gasolina. Fiz caminhadas.
Vi notícia ruim na tv. A safadeza do governo. Vi peça de teatro. Andei de moto e de salto.
Paguei contas. Fiz outras. Guardei dinheiro.
Tomei banho de chuva, bati altos “papos cabeça” e agora me pergunto: - Como é que se usa o plural numa hora dessas? Fica a teu critério, que está lendo isso aqui.
Me estressei com gente folgada, falei muito desaforo, senti falta de estar apaixonada. Em plena era digital, escrevi cartas, e fora a desculpa da greve dos correios, não tenho outra explicação pra não as ter mandado. O correio... Não tem culpa de nada. Não mandei porque não quis. Acho eu...
Encontrei amigos “das antigas”. (Santo Orkut)...
Fiz strike no boliche, faxina na papelada que guardo. Faxina na alma.
Me surpreendi com algumas pessoas, me “tapei de nojo” com outras. Arranquei dente siso. Dois.
Vi meu pai chorar pela primeira vez em 23 anos. No dia do acidente. Mas está tudo bem. Graças a Deus.
Assisti briga de família com cara de paisagem. Vi todos voltarem às boas com a mesma cara. Eu não tenho irmãos. Quem tem, que se entenda, não é?
Comprovei que definitivamente, mas de-fi-ni-ti-va-men-te mesmo, eu não tenho paciência alguma, mas sei separar as sílabas. He he...
Briguei por msn. Fizeram uma música pra mim!!!!!!! Olha que honra...
Dei murro no computador pra ele “andar” mais rápido, mesmo estando consciente de que isso não adiantaria. Mas é tudo culpa dela... da falta de paciência.
Tive pesadelo, tive sonho bom. Esperei coisa que não veio. Recebi coisa que não esperava.

Fiz muita coisa. Muita coisa mesmo. Mas essas vieram agora na memória, cada qual se jogando uma na frente da outra, sem fila e nem ordem, querendo ser a primeira, a principal.
No msn um amigo meu disse: Quem não tem presente, olha pro futuro. Retrucando o meu nick que era: Quem não tem colírio usa óculos escuro.

Presente a gente tem. Mas é sempre bom olhar pra frente.

Curioso esse post? Aposto. Aposto que a sua vida é muito mais curiosa que a minha.


3 comentários:

Rock A Pampa disse...

Essa balanço está bem positivo no meu ponto de vista. Mostra o quanto tu é especial e o quanto tu escreve bem. Com certeza não só o post mas tua vida é bastante curiosa. Espero que nós possamos ler muitos outros "balanços de final de ano" teus. Abraços.

Alexandre disse...

Ótimo balanço de fim de ano heim? Pelo jeito o ano tava "mais melhor" do que "mais pior"... hehehe, quando acabar de ler os livros (se eh q vai gostar deles) me avisa pra pegar os outros!
Feliz Natal! Bjs

mario paixão disse...

Não, Cris ! Minha vida não é mais curiosa, divertida ou interessante que a sua. Sou seu fã. quando editares o teu livro, quero o meu autografado. A propósito,Não te falei mas te desejei um Feliz Natal. Que o ano que vem você continue tendo problemas e soluções,e... quem sabe de lambuja uma paixão, que é bom e faz crescer.FELIZ 2008.